segunda-feira, 20 de junho de 2016

Nova estrada entre Sucre e Oruro reduzirá em 3h tempo de viagem entre as cidades (BOLÍVIA)

Boa notícia para os brasileiros que entram na Bolívia por Corumbá. Segue a notícia do Correo del Sur:
A auto-estrada "Diagonal Jaime Mendoza" ligando os departamentos de Chuquisaca, Potosí e Oruro, nas seções de Ravelo-Lluchu, Chacapuco e Llallagua-Uncia irá reduzir o tempo de viagem entre Oruro e Sucre de sete para quatro horas, disse o gerente o supervisor Simon Bolivar Lopez.
Bolivar explicou que o progresso da construção da secção I, Ravelo-Lluchu de 59,2Km até à data tem um progresso de 26% e devera estar concluída até até novembro de 2017.
O representante da empresa de supervisão Belmote, a secção II, Lluchu-Chacapuco, José Salvatierra disse tem um avanço de 45% e está programada para terminar em novembro deste ano.
A seção III Chacapuco-Llallagua-Uncia, trecho de 62 km, tem um progresso de 80%, cuja conclusão está prevista para o final deste ano.

O trajeto de 470Km que atualmente é feito em cerca de 7h, agora terá 339Km e poderá ser realizado em 4h, segundo prevem os construtores. Esperamos mais informações sobre a segurança do trecho e também a infra-estrutura disponível, caso não tenha postos de combustível nesse trecho, deverá ser levádo bidon extra.

 

quinta-feira, 21 de abril de 2016

29/12/14 - Dia 5 - San Pedro de Atacama-CHI


Dia reservado para visita aos Geysers. Fomos de van, assim como da outra vez (ver aqui). A estrada não é mais o inferno que era, dá pra vir de carro tranquilamente. O banho na piscina foi meio complicado, estavam poupando lenha e a caldeira que aquece a mesma estava liberando pouca água aquecida kkkkk, então todos tinham de ficar meio espremidos no cantinho, isso estava estranho haha. O passeio segue para o pueblo del Toconao, a vila mantida para os turistas. Bom para forrar o estômago com churrasquinho de gato e pastel de queijo de lhama. Se for mesmo de lhama é muito bom.

28/12/14 - Dia 4 - San Pedro de Atacama-CHI


Dia de descanso e passeios em San Pedro. De manhã ao Valle de la Luna, pertinho do centro. Almoçamos e em seguida fomos de moto até Termas de Puritama. Fica em direção aos Geysers del Tatio, antes da metade do caminho. A estrada está muito boa, apesar de não ser asfaltada. É um rípio compactado muito bom de andar. A única dificuldade são os rios que por vezes se sobrepõe a estrada, mas nada preocupante. Achei muito caro a entrada em Termas, mas como já era fim do dia o responsável nos cobrou metade do preço. 

27/12/14 - Dia 3 - 461km - Yala-ARG/San Pedro de Atacama-CHI




Dia da travessia da cordilheira e chegada ao Atacama, sem novidades para a maioria, mas sempre um momente especial. A cordilheira sempre pode ser imprevisível. Desta vez, o tempo estava muito agradável, nada de frio além do esperado para uma altitude de mais de 4.000m. Uma pena para quem queria ver neve, mas um alívio para quem já ficou preso na cordilheira, como o Marcelinho hehe. O tempo estava muito seco nos dias anteriores, então não vimos poucos resquícios de neve nas montanhas. A paisagem fica mais triste assim, de forma que somos sempre lembrados que estamos em um deserto.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Sobre pilotar no rípio...


(texto de Mesac Silveira)

Pra quem não sabe, rípio são aquelas pedras soltas que esperam por aqueles que rodam por muitas das estradas da Argentina, Chile, etc.
Escrevo isso no espírito de quem bebe um boa cerveja numa mesa de bar e joga conversa fora sobre viagens. Apenas compartilho uma experiência. E não se trata de conselhos, mas apenas de um relato. Acabei de rodar uns 300 km sobre essas pedrinhas, e ainda há mais uns 300 km pela frente, e resolvi escrever assim no calor da hora.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

26/12/14 - Dia 2 - 882km - Corrientes-ARG/Yala-ARG


No segundo dia, a meta era chega a Yala, no pé da cordilheira de forma a não deixar muita quilometragem para o dia da travessia. Qualquer problema na cordilheira tem a agravante do frio, atitude e isolamento, por isso não gostamos de deixar muita estrada para esse dia. Além disso podemos ir sem pressa e curtir as paisagens.

Para isso, era necessário consertar o pneu do Márcio. Dia seguinte ao Natal, o comércio parecia meio lento ainda. A função de levar moto no guincho/procurar pneu/troca pneu consumiu toda manhã. Enquanto isso tentei achar pesos para trocar por Dólares, mas não consegui. Só na cotação oficial em uma agência de turismo, sem chance!

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

25/12/14 - Dia 1 - 864km - Erechim-BR a Corrientes-ARG


A meta do primeiro dia era chegar em Pampa del Infierno, vencendo metade da reta interminável até San Salvador de Jujuy, viajando parte do dia após o entardecer e escapar do calor interminável (sofrendo somente um dia assim). Não foi possível devido a diversos contratempos. Começando pelo meu, com a velha desculpa do despertador. Acordamos às 8h da manhã, quando a essa altura já deveríamos estar no mínimo em Carazinho, a 150km de distância. Mandei mensagem para o pessoal seguir viagem, combinando que nos encontraríamos na fronteira mesmo, em São Borja. Assim nos arrumamos rápido e seguimos, enquanto o resto de pessoal, que já estava adiantado, seguiu viagem em um ritmo menor de forma a equalizar nossa distância.

Nos encontramos afinal, por perto do meio-dia em São Borja, na fronteira com Santo Tomé-ARG. Trocamos alguns pesos na casa de câmbio na cotação oficial, cerca de 8 ou 9 pesos, para depois trocar mais nos postos na cotação do mercado paralelo, entre 12 e 14 pesos.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Relato da viagem ATACAMA e BOLÍVIA 2015


Nos próximos post, atualizaremos o relato da viagem ao ATACAMA e BOLÍVIA, realizada em 2015 e que ainda não tinha sido divulgada. O ÍNDICE das postagens pode ser acessado AQUI

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

É mesmo necessário usar o colete refletivo no Uruguai?


Acompanho de perto alguns grupos de viagem no Facebook, comentários aqui no blog e no face também e um dos assuntos que não sai dos "trending topics" é a tal da exigência de coletes refletivos para quem viaja ao Uruguai (estilo Motoboy). Em complemento ao post já feito (http://www.aduaneirosmc.com.br/2013/12/nova-exigencia-para-motociclistas-que.html), deixo aqui mais algumas informações.

Longe de querer incentivar qualquer tipo de transgressão à lei, gostaria de expor alguns argumentos para "desbitolar" aquele pessoal que normalmente está viajando pela primeira vez e faz questão de levar em conta cada vírgula das leis do país. Já fiz dessas também e não tem coisa que irrita mais é levar bagagem pra passear... aquelas que você leva e nem retira da mala. Tendo viajado para o Uruguai umas 30x entre idas à fronteira, passeios e viagens creio que minha opinião pode ser de alguma valia.

Começando pela parte da lei, o artigo 7 diz o seguinte (negrito meu):

A partir de los ciento ochenta días de la promulgación de la presente ley, será obligatorio para los conductores y acompañantes de motos, ciclomotores, motocicletas, cuadriciclos o similares, el uso permanente durante su circulación en todas las vías públicas, de un chaleco o campera reflectivos o, en su defecto, bandas reflectivas que cumplan con las exigencias técnicas de reflexión de acuerdo con lo que fije la reglamentación.

O artigo 8 diz o seguinte:

Artículo 8º.- En caso de que el vehículo posea algún elemento fijo o semi-fijo, que impida parcial o totalmente la visualización de la parte posterior del conductor o acompañante, el mismo deberá contar mínimamente con una banda visible desde atrás de material reflectante, de conformidad con lo que fije la reglamentación.

Note que de cara, a lei já nos permite trocar o chaleco (colete) pela campera (jaqueta) e ainda simplesmente por uma faixa refletiva. Nesse sentido, as jaquetas de moto, principalmente as destinadas à turismo (touring) já contam com partes refletivas consideráveis, o que já atenderia à lei. Outro argumento a nosso favor pode ser lido no artigo 8, onde a lei diz que caso o veículo tenha algum elemento que impeça a visualização das faixas do condutor (notadamente baús e bagagens para nós) o mesmo deve contar com uma parte de material refletivo na parte traseira. O norma pede 5cm (aquele mesmo padrão visto em caminhões). Na minha interpretação, as partes refletivas dos baús já seria suficiente. Caso não se sinta confortável assim, cole uma faixa em cada baú (uns 10-15cm) e está feito. Alías, já fiz isso mesmo antes de conhecer essa lei. Visibilidade nunca é demais.

Saindo da parte técnica enumero ainda algumas outras justificativas para não comprar/gastar/se preocupar com o colete:

1-Os estrangeiros, de maneira geral, são muito bem vindos ao país. Desde a aduana, policiais na estrada, exército (no forte Santa Tereza) sempre percebi muita cordialidade e boa vontade. Todos sabem da importância do turismo para a economia Uruguaia e toleram "pequenos deslizes" dos brasileirinhos.

2-Viajando pelo país, percebo que a adesão dessa lei é grande nas regiões urbanas do país (Montevideo, Colonia, Punta del Este). Nas estradas do interior o pessoal quase não usa.

3-Os uruguaios não viajam de moto pelo país. As motos são pequenas, adaptadas, às vezes sem farol e lanterna. São para pequenas locomoções. Nós, moto-viajantes, praticamente somos um "carro" pois as motos são grandes, bem sinalizadas e com refletivos nas malas e roupas (normalmente de fábrica). Não consigo imaginar um policial enquadrando um viajando com esse argumento do colete (a não ser que você tenha aprontado outras coisas mais graves).

4-Pouco policiamento nas estradas. Estimo uns 10.000km rodados pelo Uruguai e só vi policial na estrada (fora do posto) umas 5x. Fomos parados somente uma vez por excesso de velocidade e o policial nos liberou somente com uma advertência.

E você, qual sua experiência? Conhece alguém que teve algum problema? Comente abaixo caso não concorde com algum dos pontos expostos.

De qualquer forma, espero que tenha uma boa passagem pelo país e não deixe de curtir por excesso de preocupação pré-viagem hehehe.

sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

Chegada do Aconcágua - 12 Dia - Rivera - Lar doce lar

Quero deixar aqui um agradecimento especial ao Jociel Simoes do blog Viagens Sobre Duas Rodas pelo belíssimo plano de viagem, com muita informação útil como rotas, passeios, hospedagens ao longo da ruta. 
Valeu Simons!!!

A galerinha chegou cheia de saudade dos familiares, muitas histórias...
Incrível como sentimentos de superação, coletivismo, espirito de equipe invadem nossos peitos...
Dever comprido, sãos e salvos em casa de novo!

As despedidas...
Santa Maria,
Panambi,
Carazinho.
Aos poucos fomos nos separando e a cada ruptura enxugamos as lágrimas e seguimos com o coração cheio de emoção!
ADUANEIROS = FAMÍLIA
Feliz Año 2016!

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Volta do Aconcágua - 11 Dia - Rosário a Rivera (656 km)

Tocada tranqui até o Uruguai, mas aí veio a chuva e estrada ruim de Taquarembo até chegar na ruta 5.
Chagamos em Rivera e aproveitamos para fazer compras, pouca coisa preços caríssimos.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Volta do Aconcágua - 10 Dia - San Rafael a Rosário (900 km)

Son o no son??? ...
Hj a galera enrolou o arame cedo, saindo 07:00 de San Rafael e puxou até Rosário .
Concertitos básicos...
Pra quem assistiu MacGyver sabe Oq da pra fazer com um arame é um pedaço de pau.
Após 900km o bixo pegou.... 15min e água na nuca e bora pra ruta!



sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

Volta do Aconcágua - 7 Dia - Mendoza

Visita à cidade de Mendoza.... Linda!
City tour top, vale apena, pq visitamos, aprendemos e conhecemos coisas e pessoas.
Pq sempre preferimos as pessoas...